As mensagens que tenho recebido são lições de Amor e Humildade recebidas com respeito e fé como é ensinado na Doutrina Espirita. São apelos constantes à nossa consciência para que todos os dias façamos o nosso melhor, certos de que colheremos o que hoje plantarmos...
Cada um de nós é responsável pelo rumo da sua própria vida, no entanto, nunca estamos sozinhos, nossos Guias / Anjos da Guarda são queridos Amigos, Companheiros e Irmãos mais velhos a zelar por nós, sem nunca esquecer que o primeiro passo tem de ser o nosso...

Sou grata a Todos os que tocam a minha Vida, com todos aprendo... sejam eles que Quem forem... estejam eles Onde estiverem...
Consciente da minha pequenez, partilho-as convosco...

Este blog é uma produção independente, começou no final de 2014 e inclui também as mensagens recebidas desde 2007 por psicografia e psicodigitação desde Maio 2016 na AELA / Setúbal / Portugal - www.aela.pt / Facebook: AELA - Associação Espirita Luz e Amor.


Conselho Prático

16 de outubro de 2016

Testemunho: "Matei anginhos..." - 13.10.1026

Psicodigitação recebida na AELA - 13.10.2016
Na semana anterior, fui ao 8ªCongresso Mundial  cujo tema era a Defesa da Vida.

Ai meu Deus, eu fiz eu da minha vida?  Filhos não tive porque me livrei deles todos… 6… abortei… matei-os…   

                (chora… de arrependimento e medo. Novamente é amparada por duas irmã uma 
                 mais idosa e outra muito mais jovem) 

Não me interessa o que dizem, para mim, matei anginhos… e é tudo que sei... 

               (volta a chorar… dizem lhe que elas são mãe e filha, que levou tempo, mas que acabaram
                por se reunir e agora estão felizes.)

Òh Deus! Merecerei um dia essa Graça? É tudo eu gostaria de encontrar, depois de esta vida perdida… quantas vidas são necessárias até que tenha direito a ver os anginhos que destrui… Meus Deus, como tive coragem?  Penso que fiz o melhor que sabia, trazê-los seria dar-lhes apenas uma vida de miséria, de maus hábitos… seriam filhos perdidos e quem sabe se alguém sem escrúpulos se iria utilizar deles e sabe-se lá para que fim…

Não queria ser mãe, vivi uma vida devassa, de álcool e serviço aos homens… nunca teria condições de amar os meus filhos, como eu fui nos primeiros anos da minha vida, enquanto meus pais queridos eram vivos… daí, do orfanato até a vida devassa, foi apenas um passo… corri atrás de uma promessa de amor… do amor, carinho e respeito que tanto desejava… Acabei sendo usada, explorada e sozinha… pura ilusão… não rogo praga aos homens, á sua maneira também procuravam amor… como eu…  comecei cedo a descarrilar na vida, até que fiquei doente, tossia sangue e morri… isso já entendi… não houve um único dia em que não rezasse a Deus a pedir perdão e ajuda para os anginhos que “matei”… 

Resultado de imagem para estou vivo                (chora com verdadeira dor,  
com arrependimento…)

A solidão, a procura de atalhos para a felicidade, peço-te eu registes este alerta, não conduzem nunca à felicidade!  Eu sabia que estava a fazer mal, mas tinha comida em abundância na mesa…  até como pouco… ganhei “amigo” para partilharem a minha mesa muito rapidamente… e cada vez me sentia mais só…

Até que um dia adoeci com tosse, os “amigos” foram-se… e estava gravida de novo…  sei que parti durante o sexto aborto…  Não sei por onde andei, não me recordo de nada… apenas despertei há uns dias. Disseram-me para te acompanhar, que apenas te observasse, que me trarias para aqui… não entendi… mas que tinha a perder?… ouvi essa voz tão calma, depois de já ter sido enganada tantas vezes… nesta voz acreditei…  ao chegar aqui, já estavam á minha espera de braços abertos!!!!  Mas tu não viste, pois não?

Não mereço… sugeriram-me deixar o meu testemunho, seria um alerta para outros…  tenho pena de não ser uma história bonita… a verdade é que é como uma confissão… sinto-me aliviada, fico com o peito mais liberto… 

                 (Vem uma irmã espiritual com um bébé ao colo… chora copiosamente… não é um dos seus
                 anginhos, mas é outro que precisa igualmente de carinho. Pegou o bébé, abraçou-o e de
                 joelhos disse: “Graças a Deus! Graças por mais esta oportunidade” .  Seguiram com outras
                 mulheres em igual condição de sofrimento que aqui se reuniram, foram encaminhadas  por
                 uma espécie de portal para uma espécie de hospital dedicado a mulheres e bebes. Esta
                 Irmã chama-se Grace, / Brasil morreu com 24 anos).