As mensagens que tenho recebido são lições de Amor e Humildade recebidas com respeito e fé como é ensinado na Doutrina Espirita. São apelos constantes à nossa consciência para que todos os dias façamos o nosso melhor, certos de que colheremos o que hoje plantarmos...
Cada um de nós é responsável pelo rumo da sua própria vida, no entanto, nunca estamos sozinhos, nossos Guias / Anjos da Guarda são queridos Amigos, Companheiros e Irmãos mais velhos a zelar por nós, sem nunca esquecer que o primeiro passo tem de ser o nosso...

Sou grata a Todos os que tocam a minha Vida, com todos aprendo... sejam eles que Quem forem... estejam eles Onde estiverem...
Consciente da minha pequenez, partilho-as convosco...

Este blog é uma produção independente, começou no final de 2014 e inclui também as mensagens recebidas desde 2007 por psicografia e psicodigitação desde Maio 2016 na AELA / Setúbal / Portugal - www.aela.pt / Facebook: AELA - Associação Espirita Luz e Amor.


Conselho Prático

19 de abril de 2017

Testemunho de viajante: " Já fui... mendigo..." - 23.03.2017 - ultima mensagem da sessão

Psicodigitação recebida na AELA a 23.03.2017 


Já fui luz, já fui bom, já fui pai, mãe, filho, avó, avô, vizinho, policia, talhante, merceeiro, padeiro e mendigo… já vivi muitas vidas, se alguma foi proveitosa? Diria que em todas elas aprendi alguma coisa, mas não o que poderia ter sido,… perdi muito tempo preocupado com o que os outros diziam… umas vezes fui mais pobre, noutras vidas, mais abastado, e uma delas quis ser mendigo, não me foi imposto, pedi eu esta prova… quis entender realmente o valor de coisas tão simples e grandiosas, como o calor do sol, um olhar, um abraço de um amigo, de um vizinho… o valor de um copo e água, de um pão oferecido com carinho…
Resultado de imagem para mendigo solitário

Quis olhar os olhos das pessoas que passavam…, olhar de baixo para cima, ver que muitas passavam a correr, e mais vazias ainda do que eu… calçadas, vestidas, penteadas… mas mais infelizes e vazias do eu… solidão e medo… foi o que vi mais… presas a objectivos matérias:e sem qualquer sentido sobre o que será o futuro… fantoches manipulados apenas pelos desejos terrenos… completamente inconscientes… sem acreditar que somos eternos,,,

Falo agora assim, contudo eu era exatamente como estes de quem agora lamento a sorte,,, Foi preciso chegar a este estádio de dependência da boa vontade alheia para sobreviver, para olhar bem no fundo de mim mesmo e reconhecer que poderia ter feito muito melhor, poderia talvez ter evitado esta vida de mendicidade… não foi fácil.. e nos primeiros tempos até me revoltei… fui eu que quis a experiencia, contudo, começando-a a viver, quis desistir… revoltei.me! Era muito difícil estender a mão… pedir por tudo uma oportunidade de trabalho e não a obter ou não conseguir mantê-la…. O corpo fraco, a acusar os efeitos de excessos kármicos passados – tudo se paga…


Acredito que foi o melhor para mim, acho que a experiência me ensinou a ouvir com os ouvidos e a “ouvir” com os olhos… o nosso Ser fala de tantas formas… basta observar, basta querer ajudar...


Resultado de imagem para mendigo solitárioUma vez perguntaram-me se queria repetir a experiência…. Respondi que não… mas fiquei a pensar… talvez…. e de vez em quando penso nisso foi uma época de revolta, reconhecimento e apaziguamento comigo mesmo…. Não tinha condições para trabalhar, tinha muito tempo livre, sozinho… muito tempo para reflectir…


Se recomendo a alguém a prova da mendicidade, não! São dias muito dificieis, cheios de perigos, desilusões e mágoas. Apenas nos últimos dias dessa vida – poucos meses; realmente consegui reflectir sobre tudo o que vivi… aprendi a dar valor a pequenas coisas, e são as pequenas coisas que compõem o dia a dia… São nos detalhes que mais se aprende a vida…

Quando damos por certo, a família, a casa, o trabalho, não as valorizamos, quase que as desprezamos... e todos os dias temos de cuidar, agradecer, lutar por amar o mais puramente possível, como gostaríamos que nos cuidassem também,,, quem não gosta de ser amado, cuidado, sentir útil e apreciado? Mas fazemos sempre por o merecer? Eu não o fiz…. Foi preciso chegar a este estado de pobreza total para me lembrar, para sentir falta de qualquer coisa, embora não soubesse exctamente o quê, um sentimento de frustração e revolta me assaltava de vez em quando…

Trabalho neste centro de acolhimento à vários anos, mas chegou a hora de parar e reflectir sobre o que vai ser o meu futuro. Uma coisa é certa, ainda não estou preparado para viver uma vida totalmente feliz e abastada. Tenho de me obrigar a mim mesmo a continuar a ser humilde. Não quero voltar a falhar, nem perder mais tempo.

Resultado de imagem para caminheiro solitárioSigo hoje com o grupo dos loucos, no fundo o que eu fiz com loucura, foi desperdiçar as minhas vidas, poderia ter feito muito melhor, só dependia de mim! Que me teria custado, dar um par de horas por exemplo a servir sopas na cantina da igreja? Pois agora lá fui eu pedir comida muitas vezes… Não era melhor dar, do que pedir? Foi preciso sentir fome para dar valor aos voluntários do Bem… que loucura… enfim… agora, cara alegre e toca a aguentar as consequências…

Pedi para deixar o meu testemunho, é o marco do meu novo começo… Agradeço-te teres recebido as minhas palavras loucas, oxalá sejam úteis para alguém… apenas quero dizer: aproveitem o tempo de forma útil para o vosso futuro! A vergonha de ter falhado, doí muito…

Até um dia! Quem sabe…
Minha gratidão para todos os que me deram a mão e uma oração.

Frederico C.
Setúbal - 1974