As mensagens que tenho recebido são lições de Amor e Humildade recebidas com respeito e fé como é ensinado na Doutrina Espirita. São apelos constantes à nossa consciência para que todos os dias façamos o nosso melhor, certos de que colheremos o que hoje plantarmos...
Cada um de nós é responsável pelo rumo da sua própria vida, no entanto, nunca estamos sozinhos, nossos Guias / Anjos da Guarda são queridos Amigos, Companheiros e Irmãos mais velhos a zelar por nós, sem nunca esquecer que o primeiro passo tem de ser o nosso...

Sou grata a Todos os que tocam a minha Vida, com todos aprendo... sejam eles que Quem forem... estejam eles Onde estiverem...
Consciente da minha pequenez, partilho-as convosco...

Este blog é uma produção independente, começou no final de 2014 e inclui também as mensagens recebidas desde 2007 por psicografia e psicodigitação desde Maio 2016 na AELA / Setúbal / Portugal - www.aela.pt / Facebook: AELA - Associação Espirita Luz e Amor.


22 de agosto de 2016

Testemunho: "Desertos de dor" - 18.10.2012

Psicografia recebida na AELA - ultima mensagem da sessão de 18.10.2012

Desertos de dor, foi assim que vivi, desertos verdadeiros! Em mim nada medrava, nada brilhava, só dor, só tristeza, só desalento, só medo, só noites e dias a chorar... compreendia o tudo que estava mal nos outros, mas eu, eu nunca estava errada!

Nunca era injusta, nunca blasfemava, nunca mentia nem aos outros nem a mim... pois, pois não! Era igualzinha aos outros! Patifória como os outros! Pobre ignorante! Só agora vejo as tristes figuras que fazia, se calhar ainda faço! Ai meu Deus, como eu vivi! Como pode eu ser tão egoísta! Como podemos descer tão baixo? Olhando-me daqui, tenho vergonha, nem boa para mim fui, pobre diaba!

Hoje de nada vale chorar e bater no peito! Nada! Nada altera, o que fui e o que fiz, o que ainda sou, se pensar bem... De que vale estar arrependida, de ter a noção de que apenas perdi tempo. acaso isso altera a minha condição de nulidade, de ser errante? Não, não basta querer ser diferente, é preciso provar, demonstrar esse querer, é a esta conclusão que chego, é a isto que me resumo, a uma tonta mulher com tanto ainda para chorar, para aprender! Tenho medo de fracassar de novo, sei que em breve vou voltar a viver na Terra, nova família, mas mesmas coisas para viver.. è isso que quero, devo isso a quem me tem ouvido e acarinhado até aqui nesta casa.

                      (refere-se ao  Centro Espirita)

Mas mais que tudo, quero mudar, não quero olhar para o espelho e sentir nojo e revolta por tudo o que desperdicei e pelo mal que causei - fui egoísta muitas vezes... ainda que não soubesse que a vida continua, devia pela minha própria consciência reconsiderar muitas atitudes que tomei. Há algum tempo que estou nesta casa, comecei por ser socorrida e ouvida, por gente que eu não conhecia e a quem nada tinha para oferecer para além de um sorriso...

                      (refere-se aos trabalhadores espirituais, sempre presentes no Centro)

Aqui estou, não me lembro há quanto tempo... apenas tenho visto pura e boa vontade para com ingratos, rotos, ranhosos e feridos - dos quais eu era uma dessas pessoas... completamente perdida e surpreendida com tudo! Para mim após a vida, apenas havia a campa no cemitério... Meu Deus! Meu Deus! Como pode isto ser! Meu Deus! Também foi assim que me senti! Um nada, um nada mesmo...

Vou um dia, em breve acho, reencarnar, é assim que se chama o voltar á Terra. Quero reconhecer que a Vida é eterna, que estamos sempre a aprender, aqui e aí...  quero ser melhor, não voltar a sentir este vazio e vergonha que sinto hoje. Quero ser gente, quero sentir que alguém gosta e se importa comigo, quero voltar a encontrar aqueles que me têm as lágrimas e curado as minhas feridas. Quero mostrar que sou gente, quero merecer a confiança que me tem sido demonstrada, não quero mais sofrer com a ideia do vazio depois da "morte", já que ela não existe! Sou a prova disso!

Não sei se conseguirei o que quer que seja, mas vou tentar! Vou ser gente e não uma imbecil deambulando apenas!  Vou aproveitar o meu tempo, vou ser útil para mim e para quem estiver comigo, mas isso não quer dizer que vou ser um tapete, quer dizer que vou aprender a ouvir o que me querem dizer para começar, assim como vou começar a ouvir a minha consciência no fundo; no fundo, senti muita vez o que estava a fazer de errado, mas achei que não era o melhor... O melhor era eu estar acima de todos, fosse lá de que forma fosse! Pois... agora vejo o resultado... nada tenho!
Já sei que não vou estar sozinha, embora não veja quem estará lá comigo

                 (refere-se ao local do plano espiritual para onde vai prosseguir a sua aprendizagem)

É bom saber isso! É reconfortante! Tenho medo de falhar de novo... mas é bom saber que não estarei sozinha - nunca o estive, mas não sabia... não sabia de nada!
Já falta pouco para reencarnar, não te reconheceria de certeza... já sei que não é assim que funciona, ou estava a pensar que teria de te agradecer também por registares as minhas dores. Daqui par aa frente, serei sempre grata a todos os que me deram atenção. Já compreendi se eu der a mão. alguém me dará a mão também, se eu matar alguém, alguém me matará também... não o quero esquecer...

                  (refere-se: "colhemos o que semeamos"...)

Chegou a hora de eu seguir para outras paragens, muito há para fazer antes de vir à Terra de novo: novos objetivos - quer dizer: vou encará-los de forma diferente - novo corpo a definir, nova família... rever amigos antes de partir (dizem-me que tenho amigos que me aguardam, mas não me recordo quais, e família, nem me lembro se a tive!...

Sinto-me feliz e ao mesmo tempo envergonhada, que vou dizer que fiz na Terra?
Vou continuar a mentir?! Não quero isso! Mas como vou viver aqui? Prefiro reencarnar tão breve quanto possível e recomeçar!
 E já que com um corpo (reencarnada) esqueço isto aqui, então que o seja, sentirei menos vergonha de mim mesma.

Tenho de ir, vou aprender a ser gente!
Até um dia, um dia que será mais feliz do que hoje.
Obrigada a todos!
Uma irmã,
Deolinda.