As mensagens que tenho recebido são lições de Amor e Humildade recebidas com respeito e fé como é ensinado na Doutrina Espirita. São apelos constantes à nossa consciência para que todos os dias façamos o nosso melhor, certos de que colheremos o que hoje plantarmos...
Cada um de nós é responsável pelo rumo da sua própria vida, no entanto, nunca estamos sozinhos, nossos Guias / Anjos da Guarda são queridos Amigos, Companheiros e Irmãos mais velhos a zelar por nós, sem nunca esquecer que o primeiro passo tem de ser o nosso...

Sou grata a Todos os que tocam a minha Vida, com todos aprendo... sejam eles que Quem forem... estejam eles Onde estiverem...
Consciente da minha pequenez, partilho-as convosco...

Este blog é uma produção independente, começou no final de 2014 e inclui também as mensagens recebidas desde 2007 por psicografia e psicodigitação desde Maio 2016 na AELA / Setúbal / Portugal - www.aela.pt / Facebook: AELA - Associação Espirita Luz e Amor.


1 de agosto de 2016

Testemunho de médium arrependido: "...Conhecer o invisivel..." - 28.07.2016

Psicodigitação recebida na AELA - 28.07.2016

Ai meu Deus, tantos querem conhecer o invisível, tantos sonham com maravilhas, descobrir segredos, mostrar-se merecedor de mais privilégios.... Meu Deus!... Quanta ilusão, tanta vaidade... quanta loucura... Será que ainda não perceberam que todos somos médiuns?  Uns têm capacidade e merecimento para ver debaixo do véu, outros tem apenas alguma inspiração ostensiva... cada um tem o que precisa!!!  E cada um dá a melhor utilização aquilo que lhe foi concedido!!! Mas onde é que está a dúvida?!! Para quê tanta inveja? Tantos ciúmes?!  Por acaso estamos dentro do coração ou da alma de cada um para saber o porque do que recebeu ou não recebeu, ou quando receberá? Por acaso somos Deus? Compete-nos julgar? Criticar?   Pena que muita vez se fale do que não se sabe!   Agora falo assim, mas eu fui um crápula do pior, exactamente a fazer o que agora ataco!  Não sou melhor em nada... apenas tive a Graça de já poder assistir e participar nas tarefas mais básicas dos trabalhos... Não reconheço em mim qualquer mérito... apenas mais do que estudar, precisei ver , VER e reVER, todos os desgraçados que chegam aqui... desesperados, perdidos, rotos, com carne pútrida, sujos, feridos no "corpo" e na alma...   Tanto os vivos como os "mortos" se apresentam nestes Centros de Auxilio, completamente derrotados, sedentos de toda e qualquer migalha de atenção, de luz, de pão... de esperança para continuarem a viver...

Não imaginam quantos estão aqui como eu, a aprender para se recuperarem e darem os seus testemunhos... cada um tem a sua história, cada uma mais triste do que a outra... Quanto a mim, nem os detalhes da minha vida são importantes, se vivi com esta ou aquela, se conheci sicrano ou beltrano... pouco importa! O que me ressalta á consciência, é o resultado daquilo que fiz na vida que desperdicei!! Esse é que é o balanço que deve de ser feito!  Todos nos encontramos com todos muitas vezes: um dia somos pai, amanhã somos filho; hoje somos o pastor, amanhã somos o mendigo...

Que desconsolo é ver o quanto o homem ainda é mesquinho, para os outros homens, para os animais... mas quando será que egoístas como eu aprendem a viver?   Mas sabem o que mais me assusta, saber que um dia tenho de voltar a viver na carne... voltar ao principio... apenas com a leve ideia de déjà-vu... disso é que eu tenho medo... não posso seguir ainda esse caminho... vou falhar de novo... pedi ao Senhor Jesus, que me deixe estar por estas paragens a trabalhar, só quero dar o meu testemunho e trabalhar... dar a mão, limpar a face de quem chora... abraçar quem sofre... ainda estou a interiorizar o quanto fui lunático, convencido e arrogante... fui médium ostensivo, tive tantas provas das coisas boas que nos esperam... testemunhei-as agora, nas não tenho acesso a elas, nem precisaram proibir-me, tenho inteligência para reconhecer que não mereço...  fui um daqueles que podia fazer muito Bem, e em vez disso explorei quem de mim apenas queria, uma palavra de esperança...  Que vergonha sinto,  critico com consciência do que fui... que vergonha...

Até chegar aqui, senti-me privilegiado, como tal se tinha dons, era porque merecia, então tentei retirar deles o meu sustento e bajular-me... como doí ver-me assim... um louco...  com o tempo deixei de ver belezas e passei a ver e a sentir Irmãos em sofrimento... deixei de ter a alegria das belezas, para a tristeza da dor, do pranto, do sofrimento... e hoje aqui estou... reduzido ao meu nada! Agradecendo apenas a oportunidade de poder trabalhar, de estar ocupado produtivamente... dói menos quando estamos ocupados... fáz bem ao coração sentir que podemos fazer alguma diferença pelos outros, é uma pequena alegria para quem se sente tão devedor perante a VIDA, perante DEUS...

Já desabafei... e vou retomar as minhas funções, vou continuar a receber os mais fracos... abraça-los apenas sem falar...   foi muito do que poderia ter feito e não fiz,  não era o dinheiro que me dava felicidade... pura ilusão, puro desperdício de vida...

Agradeço a Deus, a quem me orienta aqui e a ti por recolheres o meu depoimento. "Palavras soltas"... sem o cuidado de ser bonito, apenas real...~

Até um dia, quem sabe se continuarei a merecer mais alguma oportunidade de te ditar alguma coisa mais...  Adeus, obrigado
Francisco,
1899, Monge